capa_meus_medos_sonhos_conquistasSobre a Obra:

MEUS MEDOS, SONHOS E CONQUISTAS – Vitória Corrêa tinha 9 anos e dormia sozinha cuja porta dava de frente para o poço que ficava na cozinha. Nele havia um acesso para o forro da casa que seu pai deixava constantemente aberto. Ratos passeavam durante as noites pelo forro e às vezes era possível ver sua cauda ou suas pequeninas patas pelas frestas, ou então, ouví-los andando por ele. Baratas passeavam tranquilamente pelas gavetas dos armários e a noite, entre os móveis de seu quarto. Muitas vezes não dormia, ora com temores das estórias que sua mãe contava, ora das baratas, ora com medo do poço, ora do vão aberto no forro do teto. Chegou um ponto que em algumas noites, foi necessário ir até o quarto de sua mãe para pedir ajuda. Ao bater na porta, sem mesmo dar tempo para contar os motivos dos seus temores, a mãe com uma voz irritada, pedia que voltasse a dormir. Não tinha alternativa a não ser  ela mesma vencer seus medos, pois de outra forma não conseguiria dormir, comer ou sobreviver a tamanho abandono. Andando nestes trilhos Vitória viu o tempo passar… Tinha 7 anos e com muito esforço pisava sem equilíbrio sobre os trilhos da linha do trem. Aos seus 8, 9, 10…16 anos. Aqui ela construiu seus sonhos, brotou lágrimas, dissipou suas mágoas, viu o futuro se aproximar. Sobre os trilhos com os dedos na boca, aprendeu a assoviar muito alto, mais alto do que os tímpanos geralmente conseguem aguentar e durante anos caminhou, revendo a cena de sua pequena história. Eram tantos medos, uma insegurança quase infinita, amarguras e desagradáveis situações familiares. Ainda sim, ela olhava o horizonte e refletia sobre tudo aquilo que a fazia sofrer, e desta forma sem perceber, fortalecia ainda mais o seu desejo de querer ser diferentes daqueles a sua volta, de ir mais além. Nestes trilhos ela criou parte da sua história atual, queria ser independente, ter casa, estudo e Deus ao seu lado. Não tinha com quem falar dos seus medos e sonhos, ninguém para compartilha-lós e através deles aprendeu a lidar com a dura realidade que a tolhia, uma fuga assertiva para escapar de uma solidão tão precoce. Dia após dia, anos após anos, infância e adolescência, pensamentos altruístas sobrepondo sombrios acontecimentos. E agora, olhando para esta foto que a leva de volta ao passado, recorda-se do caminho trilhado com garra e integridade, e percebe que para ter vencido seus medos e galgado suas conquistas, o quanto sonhar foi importante…

Meus Medos, Sonhos e Conquistas