capa_espetaculo_da_solidaoSobre a Obra:

ESPETÁCULO DA SOLIDÃO – Este 4° livro de Daladier Carlos, é uma abordagem do Universo existencial do autor em 3 dimensões. A primeira compreende uma interpretação à qual preferiu chamar de consciência antropológica, ou seja, a do desenvolvimento das suas múltiplas visões de mundo, algumas vezes separados entre ego e as matérias da cultura circulante; outras imbricadas numa teia complexa de emoções, na qual o corpo físico assume um papel de testemunha do que o autor  sente e vive. A dimensão seguinte é a do viés político, quando os autores cidadão e intérprete acabam se misturando, e nesse contexto os seus comentários revelam, além de apreensão, uma angústia e, por que não dizer, uma descrença na possibilidade de rápida mudança sociopolítica. Na derradeira dimensão, o autor se propõe se colocar como um crente na intrínseca espiritualidade comum à maioria dos indivíduos, parecendo querer encontrar resposta aos anseios da sua mente, o que, em resumo, define o espetáculo da sua solidão.

Sobre o Autor:

Penso que toda apresentação pessoal ou é generosa ou trata com demasiado rigor o apresentado. Se pudesse, não faria comigo nem uma coisa nem outra, apenas diria em uma ou duas linhas, que gosto de escrever, e pronto. Mas preciso informar que tenho na poesia a maneira simples e justa de conversar comigo e com o mundo, o que, no final, revela traços da minha lenda. De concreta, escrevi 3 livros de poemas, através dos quais  tentei interpretar sentimentos, fatos e ilusões. No primeiro, “A pele da alma” tive a inestimável ajuda de um querido amigo, Arley Camillo, de Mariana, que ilustrou a capa e ousou o texto encomiástico da apresentação. Em seguida vieram “Um raro olhar” e “…E o espelho se desloca”. Este quarto livro “Espetáculo da solidão” é uma tentativa de  o autor participar da cena, naquilo que o verso quer explodir, sem se importar com os estilhaços que possivelmente lhe penetraram a alma. Afinal o poeta não pode se furtar ao confronto inevitável e permanente com os conflitos  do seu discurso. Tenho material pronto para mais outros livros, o que será objeto do olhar do destino. No mais, nasci carioca, e provavelmente terminarei por aqui, junto ao mar, imerso na poesia. Então, o que posso querer mais, senão agradecer a Deus?

Espetáculo da Solidão