capa_brizolaSobre a Obra:

BRIZOLA, POLÍTICA E LEGALIDADE – Ele tentou de todas as formas, mesmo se submetendo às correntes políticas, não digo menos expressivas, mas menos comprometidas, para encontrar uma saída para o Brasil. Imaginar que em 89 ele propôs que o Lula retirasse sua candidatura em prol da candidatura de Mário Covas. Na visão dele, era a única maneira de derrotar o Collor e tudo aquilo que a candidatura do PRN representava naquele momento. Era a chance de derrotar os conservadores mais explícitos. Porque depois o PSDB com Fernando Henrique se demonstrou mais conservador ainda. O Brizola chegou a assumir uma chapa com Lula na cabeça e ele de vice. E depois, lançou o Ciro Gomes. Ele demonstrou que não tinha apego ao poder, o que ele queria era achar uma saída para o país. Lamentavelmente, Lula eleito com o apoio do PDT no segundo turno, contra o Serra, virou as costas para o Brizola. Na verdade, virou as costas para o projeto que o Brizola representava. Morreu certamente amargurado, lutando. Brizola era uma pessoa de boa convivência, tinha espírito de renúncia, não odiava os adversários, era capaz de se reconciliar, entretanto, pregavam uma imagem de radical.” (Deputado Paulo Ramos)

Sobre o Autor:

Leonardo Andrade Aguiar é jornalista, carioca, autor de “Quem matou Celso Daniel?”. É colunista de política no jornal Folha de Niterói. Em seu segundo livro, faz uma radiografia da trajetória política do ex-governador Leonel Brizola, uma das mais importantes figuras da história recente da política brasileira.

Brizola: Política e Legalidade